Na semana que passou, uma grande novidade movimentou os bastidores das tradicionais rivais Marvel DC Comics: a revista Entertainment Weekly informou que o diretor James Gunnrecém-demitido do Marvel Studios por decisão da Disney, está em negociações avançadas com a Warner Bros. para trabalhar na sequência do filme “Esquadrão Suicida” – rumores anteriores já indicavam conversas entre ele e a gigante do entretenimento. De acordo com a informação, Gunn seria contratado pela Warner – proprietária da DC – para, a princípio, escrever o roteiro do longa, mas com boas possibilidades desse acordo evoluir a fim de que o cineasta também dirija a aventura dos anti-heróis.

A notícia, que surpreendeu a muitos, acabou soando frustrante para aqueles que ainda mantinham esperança de que houvesse o retorno de Gunn à franquia “Guardiões da Galáxia”, da qual o realizador foi responsável por conceber dois filmes que colheram grande sucesso de público e crítica. Entre os desapontados, está o ator Dave Bautista, que, à esteira da demissão do companheiro de trabalho, já havia manifestado grande insatisfação com a situação decorrente ao desligamento do diretor – com quem colaborou nos dois filmes produzidos pelo Marvel Studios – e aproveitou para, mais uma vez, expôr seu desejo de voltar a trabalhar com o colega. Por meio de sua conta oficial no Twitter, Bautista sinalizou com a possibilidade de “mudar de lado” nessa disputa:

“Onde eu assino?”

Com essa irônica declaração, é bom possível que Bautista tenha tornado mais desconfortante ainda a sua situação junto à produção de “Guardiões da Galáxia Vol. 3”, na qual o ator está amarrado por questões contratuais, mesmo já tendo deixado claro sua intenção – que dificilmente será atendida – de que o estúdio o desligasse da continuidade do projeto.

Com a provável contratação de Gunn, quem acabou saindo do projeto “Esquadrão Suicida 2” foi Gavin O’Connor (“O Contador”), que até então seria o responsável tanto pela direção quanto pelo roteiro do longa. No entanto, de acordo com o jornalista Justin Kroll, da revista Variety, o comando da Warner acabou não aprovando o roteiro entregue por O’Connor por considerá-lo muito parecido com o de “Aves de Rapina”, outra produção vindoura do chamado Universo DC”, cuja produção encontra-se em estágio mais avançado de desenvolvimento. Dessa forma, o diretor focará em outro projeto, não relacionado às adaptações de quadrinhos, dentro do estúdio:

“Sobre Gavin O’Connor em relação a ‘Esquadrão Suicida 2’, a história que ele tinha para a sequência acabou saindo quase idêntica à de ‘Aves de Rapina’ e, quando este filme ganhou sinal verde antes de ‘Esquadrão 2’, O’Connor se frustrou e saiu do projeto para fazer ‘The Has-Been’.”

O jornalista Borys Kit, do The Hollywood Reporter, ainda informou, via Twitter, que a sequência de “Esquadrão Suicida” não será necessariamente uma continuação direta do filme de 2016:

“Recebo a informação que o ‘Esquadrão Suicida’ de Gunn não será uma sequência, e que ele implantará uma visão totalmente nova. Mas ainda não está claro se isso significará um elenco novo ou não”.

O primeiro “Esquadrão Suicida” foi dirigido por David Ayer (“Bright”) e, apesar de ter sido massacrado pela crítica, foi um grande sucesso de bilheteria.