Doris Day, uma das mais icônicas e emblemáticas atrizes de Hollywood nas décadas de 50 e 60, morreu nesta segunda-feira (13) pela manhã, aos 97 anos de idade, em sua casa, na região de Carmel Valley, no estado da Califórnia, EUA. Doris, que também foi uma das cantoras americanas de maior sucesso, faleceu na presença da família e de amigos, vítima de pneumonia. A informação foi confirmada à Associated Press pela fundação que leva o nome da artista.

Nascida em Cincinnati, Ohio, no ano de 1922, Doris Mary Ann Kappelhoff iniciou sua carreira em uma rádio da cidade em 1939, cantando em big bands. Antes de se mudar para Nova York, trabalhou em uma boate local.

Como cantora, Doris lançou seu primeiro sucesso em 1945, a regravação de “Sentimental Journey”, um hino extremamente popular durante o período final da Segunda Guerra Mundial. Na sequência, vieram as canções “You Are My Sunshine” (1951), “Secret Love” (1953), “Everybody Loves a Lover” (1958) e a marcante “Que Sera, Sera” (“Whatever Will Be, Will Be”), que foi tema de “O Homem Que Sabia Demais” (1956), filme de Alfred Hitchcock protagonizado por Doris e James Stewart (“Janela Indiscreta”). Assista à icônica cena abaixo:

Doris ainda estrelou, entre outras produções cinematográficas, “Romance em Alto-Mar” (1948), “Ardida como Pimenta” (1953), “Ama-me ou Esquece-me” (1955), “Volta Meu Amor” (1961) e “Eu, Ela e a Outra” (1963). Sua interpretação em “Confidências à Meia-Noite” (1959) lhe rendeu uma indicação ao Oscar.

Em toda a carreira de Doris, seu principal parceiro de cena foi Rock Hudson (“Assim Caminha a Humanidade”). Muitos críticos de cinema de sua época a consideravam uma espécie de Marilyn Monroe mais comportada.

Em sua autobiografia, lançada em 1976, Doris Day, que se casou quatro vezes ao longo da vida, afirmou a respeito do matrimônio:

“Tenho a infeliz reputação de ser a Virgem da América e outras coisas, então eu vou chocar alguns ao dizer que acredito sim que duas pessoas não deveriam se casar antes de viverem juntas.”

Em 1989, Doris ganhou, no Globo de Ouro, o prêmio especial Cecil B. DeMille em honra à sua carreira. Ela ainda foi agraciada pela tradicional cerimônia na categoria de atriz favorita do cinema mundial em outras três oportunidades. Em reconhecimento ao conjunto de sua obra, Doris também foi homenageada pelo Grammy.

Em 2004, Doris foi condecorada pelo então presidente americano, George W. Bush, com a Medalha Presidencial da Liberdade, a principal honraria civil dos EUA. O filho único da atriz e cantora, Terry Melcher, cantor, compositor e produtor, acabou falecendo no mesmo ano.

Entre 1966 e 1973, Doris Day ainda protagonizou 24 episódios do programa televisivo “The Doris Day Show”, da rede CBS. Após o fim da atração, a artista decidiu por se dedicar à defesa e proteção dos animais, criando uma fundação voltada a esse propósito batizada de Doris Day Pet Foundation.

Doris Day deixa um neto, Ryan Melcher, filho de Terry.